Recorde

Nada menos do que 132 mil pessoas, 99 % cruzeirenses, foram ao Mineirão ver a final entre Cruzeiro e Vila Nova, proporcionando um espetáculo que superou o próprio jogo e todas as expectativas. Durante a semana, a torcida cruzeirense esteve contida, numa demonstração de respeito ao adversário, embora nao perdesse a confiança no título. Enquanto os vilanovenses anunciavam presença em grande número ao Mineirão e pediam apoio a atleticanos e americanos, os azúis, silenciosamente, concentravam energias para sacudir o Mineirão na hora final.

A festa cruzeirense começou bem antes do jogo. Pela manhã, era impossível não ter o azul como referência, em variadas tonalidades nos bares, clubes, no trânsito, por todos os lados, acor dominava a paisagem urbana, prenunciando a grande festa no Mineirão. À tarde, aconteceu o que muitos não acreditavam: Um recorde de público, com mais de 132 mil torcedores no estádio.

Durante o jogo, houve um verdadeiro SHOW, com apoteose aos 10 minutos, quando Marcelo balançou as redes fez tremer o Mineirão. A torcida cruzeirense gritava: "AH!, EU TÔ MALUCO", em clara referência ao grito de guerra do "LEAO MALUCO".

Aos 30 minutos do segundo tempo, quando o Vila crescia em campo e pressionava, Donizeti, que havia entrado no lugar de Elivélton, deu uma de maestro, gesticulando e orquestrando a massa numa convocação ao incentivo. E a torcida não parou mais: "BICAMPEÃO! BICAMPEÃO!". O coro de mais de 120 mil vozes ganhou as ruas após o jogo, invadiu a Afonso Pena, num grande carnaval azul que varou a noite e entrou pela madrugada.